Vacinas Puppy – V8 – V10 – V7 – entendendo as diferenças.

Para esse artigo contamos com a colaboração da Dra. Jessica Oms CRMV/PR 10.857 – Médica Veterinária - Técnica Merck Sharp Dohme pela Nikko Distribuidora e Dra. Vanessa Saito CRMV/PR 5.080 – Médica Veterinária.

Você já ouviu várias vezes as expressões “vacinas V10 é melhor que V8” a “Puppy é uma vacina mais fraquinha” “a vacina importada não deixa aquela bolinha no cãozinho”. Nesse artigo vamos tentar desvendar todos esses mitos.
A Vacinação com a Puppy é recomendada para os filhotes pequenos? Por que?
R. Sim. Existe um termo que chamamos de janela da susceptibilidade dos filhotes. Essa janela determina o período em que os anticorpos adquiridos no leite materno (colostro) já não protegem mais o filhote das infecções que ele pode encontrar no campo, mas ainda assim, podem interferir na imunização agindo contra a vacina. No mercado a Nobivac é a líder com a Puppy que é uma vacina bivalente, que contém apenas duas cepas atenuadas: cinomose (Onderstepoort), que chega a ser 10 vezes mais potente do que as outras vacinas disponíveis, e parvovirose (C154). Por causa de sua potência, essa vacina consegue reduzir esse período de susceptibilidade na vida do filhote, pois ultrapassa com mais facilidade a barreira dos anticorpos maternos, para conseguir uma melhor resposta imunológica para as duas principais doenças que podem acometê-los. Existem dois protocolos ideais para se utilizar a vacinação Puppy (aqui vamos usar como referência a da Nobivac)

45 dias (6 semanas) - Nobivac Puppy
66 dias (9 semanas) - DHPPi+L
87 dias (12 semanas) - DHPPi+L
É importante lembrar que os guidelines recomendam que as vacinações dos filhotes continuem até 16 semanas, independente da marca escolhida.
Ou: (a que utilizamos aqui no Treville)
28 dias (4 semanas) - Nobivac Puppy
49 dias (7 semanas) - DHPPi+L
70 dias (11 semanas) - DHPPi+L
91 dias (13 semanas) - DHPPi+L

Nunca o protocolo de vacinação de um filhote deve ser interrompido antes de 12 semanas de vida, pois nessa idade ainda existe um certo nível de anticorpos maternos que podem interferir na imunização.

Diferenças entre V10 e V8
O termo V10 ou V8 apenas diferenciam as vacinas pelo número de cepas (cepas=vírus ou bactérias) que elas possuem, sendo que algumas dessas cepas não possuem importância clínica no nosso país.
Por exemplo: o que as "V10" tem a mais do que as "V8"? São duas cepas de leptospirose que não tem importância clínica para animais de companhia no Brasil. São elas a pomona, cujo hospedeiro é o suíno, e a grippotyphosa, cujos hospedeiros são roedores silvestres mais encontrados nos EUA e no Canadá.

Por que a DHPPI+L ou (V7 como algumas pessoas chamam) é considerada um produto mais efetivo?
A DHPPi+L é uma vacina europeia, produzida sob condições adequadas para reduzir reações, tanto locais quanto sistêmicas, que está adequada as recomendações dos guidelines e que chamamos de vacinação sob medida.Ela possui exatamente aquilo que o animal precisa. Por exemplo, a WSAVA (Associação Mundial de Medicina Veterinária de Pequenos Animais) coloca o coronavírus como uma vacina não recomendada e que não deve ser utilizada. Mas a maioria das vacinas ainda possuem essa cepa. A DHPPi+L não possui pois já está alinhada aos novos estudos. Além de não ser recomendada, a cepa do coronavírus possui um adjuvante chamado hidróxido de alumínio que pode causar uma reação local, aquela "bolinha" que fica no local da aplicação. Além disso, ela possui um sorovar de leptospirose de alta importância no Brasil, principalmente no Paraná, o sorovar copenhageni, que é do sorogrupo icteroemorragiae, com duração de 1 ano.
Para reduzir reações sistêmicas, essa vacina passa por um processo de filtragem (vaccipure) que remove o excesso de adjuvantes (proteínas estranhas) do cultivo da leptospirose, reduzindo assim as chances do animalzinho ficar com febre após a vacinação. É uma vacina importada bastante atualizada, sem excessos e de excelente qualidade.

Lembrando a manutenção do ciclo imune do seu cãozinho é fundamental para a saúde. Então fique atento ao protocolo que o criador fez no seu bebê e aos reforços anuais que são de sua responsabilidade.
O verão está chegando época de viagens e passeios nos parques, sítios etc. Lembre-se de estar com as vacinas múltiplas em dia e de complementar os reforços anuais da antirrábica e giárdia. Se você mora ou vai visitar regiões com focos de Leishmaniose redobre a atenção.

Escrito por Leriel Gaio com subsídios gentilmente cedidos e elaborados por:

Dra. Jessica Oms CRMV/PR 10.857 – Médica Veterinária - Técnica Merck Sharp Dohme pela Nikko Distribuidora e Dra. Vanessa Saito CRMV/PR 5.080

Obrigado Dra(s) por nos ceder um pouco do seu tempo e conhecimento para auxiliar os amantes da raça a entender melhor sobre o assunto.

 

Comments are closed.